Posts Tagged ‘Sagrada Familia’

Sagrada Familia

12 de julho de 2009
Né? Portico de la Passion.

Né? Portico de la Passion.

Chegamos em Barcelona na hora do almoço, nos instalamos no apartamento e depois de almoçar em um restaurante peruano (!) perto de casa resolvemos ir até a Sagrada Familia. Não era muito longe do apartamento e nos pareceu uma boa ideia fugir da chuva num programa indoor.

Dona Regina sorridente com o guarda-chuva madrileño

Dona Regina sorridente com o guarda-chuva madrileño

Bom, é até bobagem dizer isso, mas a Sagrada Familia é OBRIGATORIA. Sério. É uma igreja monstruosa, com uma história comovente, feita por um gênio, e que ainda está em construção. Quando eu lia que a Sagrada Familia estava em construções e tal, não fazia ideia do que isso realmente queria dizer. Então quando eu entrei na igreja foi um choque: alou, isso aqui é um canteiro de obras! Com cheiro de cimento fresco, e homens trabalhando por toda a parte.

Canteiro de obras de luxo

Canteiro de obras de luxo

Passado o choque inicial você começa a observar os detalhes. Eu não conseguia parar de pensar no quanto deve ser sensacional você participar da construção de uma obra tão grandiosa e importante. E projetada por Gaudì, po! Os vitrais, as colunas, as fachadas, os pináculos… é tudo de chorar de lindo.

O teto, as colunas super orgânicas, tipo árvores e seus galhos...

O teto, as colunas super orgânicas, tipo árvores e seus galhos...

Se você não tiver medo de altura pegue o elevador que leva às torres: você vê os pináculos de pertinho e ainda tem uma vista linda da cidade. Não perca também o museu que tem lá: você vai poder ver fotos, maquetes, projetos, várias coisas que vão te fazer entender melhor a cabeça louca do Gaudì. Vale cada minuto de fila e cada centavo de euro (o ingresso da Sagrada Familia custa 11 euros, o elevador acho que é 3 euros)

Lá em cima. Muito frio, uma vista de tirar o fôlego e os pináculos logo ali

Lá em cima. Muito frio, uma vista de tirar o fôlego e os pináculos logo ali

Ah! Foi na Sagrada Familia que eu vi um dos homens mais lindos da viagem toda – um segurança INCRIVEL que ficava perto dos elevadores. Aliás, em termos de homens bonitos, a Espanha foi um espetáculo. ;)

OBRIGATORIO. Sério. É uma igreja monstruosa, com uma história comovente, feita por um gênio, e que ainda está em construção. Quando eu lia que a Sagrada Familia estava em construções e tal, não fazia ideia do que isso realmente queria dizer. Então quando eu entrei na igreja foi um choque: alou, isso aqui é um canteiro de obras! Com cheiro de cimento fresco, e homens trabalhando por toda a parte.
Passado o choque inicial você começa a observar os detalhes. Eu não conseguia parar de pensar no quanto deve ser sensacional você participar da construção de uma obra tão grandiosa e importante. E projetada por Gaudì, po! Os vitrais, as colunas, as fachadas, os pináculos… é tudo de chorar de lindo.
Se você não tiver medo de altura pegue o elevador que leva às torres: você vê os pináculos de pertinho e ainda tem uma vista linda da cidade. Não perca também o museu que tem lá: você vai poder ver fotos, maquetes, projetos, várias coisas que vão te fazer entender melhor a cabeça louca do Gaudì. Vale cada minuto de fila e cada centavo de euro.

Barcelona – pra começar

11 de julho de 2009
Eu podia começar dizendo que Barcelona me decepcionou, mas não estaria sendo justa. A verdade, para ser sincera, é que não criei expectativas suficientes sobre Barcelona para ela me decepcionar. Ainda em São Paulo eu comecei a torcer o nariz para a cidade, porque foi TÃO difícil achar hospedagem boa e barata… foi tão difícil que eu acabei optando por uma ruim e barata. Confesso que pensei em riscar Barcelona do meu roteiro algumas vezes: porque foi difícil achar hospedagem, porque das cidades que eu tinha escolhido era a que menos me empolgava, porque nem ler livros e assistir Vicky Cristina Barcelona me deixou animada.
Mas a gente já tinha comprado as passagens de avião, e nosso voo para Paris sairia de Barcelona. E era nossa chance de viajar de trem-bala, algo que realmente me empolgava. E era minha chance de por os pés no Mediterrâneo. E tantas pessoas que amavam Barcelona não poderia estar erradas, né?
Acontece que nas minhas pesquisas pré-férias eu constatei uma coisa. As pessoas se dividem em dois grupos: os fãs de Madrid e os fãs de Barcelona. E eu posso dizer com toda a certeza que sou uma fã de Madrid. Tenho uma birra de cidades praianas (ainda mais uma com praias CONSTRUIDAS). E tem mais fatores, né? A gente já estava cansada… e a proxima parada era Paris, essa sim que eu sonhava conhecer desde criança. Eu só queria que Barcelona passasse logo! :P
Boba, né? Eu preciso voltar lá com mais tempo, com mais amigos, com mais pique, no verão, com a cabeça mais aberta e um biquíni na mochila, eu sei. Mas como ainda não voltei, nem sei quando vou voltar, é das minhas experiências passadas que eu vou falar.
A cidade é linda, isso é indiscutível. As placas em catalão são curiosíssimas, tentar decifrá-las a cada esquina é bem divertido. Tentar entender essa coisa da Espanha ter tantas nações dentro dela é muito bom também – se você tiver a chance de conversar com um catalão sobre o assunto, não perca a oportunidade. Talvez você se irrite com a soberba dessa gente, mas eles têm seus motivos.
As pessoas são muito elegantes, muito bem vestidas (mais do que em Paris, juro!) e o Passeig de Gràcia é uma experiência: muita riqueza, gente bonita e obras de Gaudì aqui e ali. A linda Manzana de la Discordia, La Pedrera, e tantas outras. Como eu fiquei em Gràcia, subi e desci o Passeig pelo menos duas vezes por dia. Uma delícia!
Falando em Gaudì, a Sagrada Familia é sim imperdível, impressionante e emocionante. O Parc Güell também, e talvez tenha sido um dos meus lugares preferidos.
Enfim, foi onde eu fiquei menos tempo (3 dias), e provavelmente onde tive os dias mais puxados: tanto que nem deu tempo de curtir a noite. Em 3 dias a gente viu tudo o que queria ver, mas talvez, se eu pudesse voltar no tempo (e se tivesse tempo de sobra), dedicaria uns 5 dias a Barcelona, para viver o dia e a noite e ter tempo para fazer nada. Quem sabe numa próxima vez…
Olá, Barcelona :)

Olá, Barcelona :)

Eu podia começar dizendo que Barcelona me decepcionou, mas não estaria sendo justa. A verdade, para ser sincera, é que não criei expectativas suficientes sobre Barcelona para ela me decepcionar. Ainda em São Paulo eu comecei a torcer o nariz para a cidade, porque foi TÃO difícil achar hospedagem boa e barata… foi tão difícil que eu acabei optando por uma ruim e barata. Confesso que pensei em riscar Barcelona do meu roteiro algumas vezes: porque foi difícil achar hospedagem, porque das cidades que eu tinha escolhido era a que menos me empolgava, porque nem ler livros e assistir Vicky Cristina Barcelona me deixou animada.

Se ainda tivesse um Javier me esperando...

Se ainda tivesse um Javier me esperando...

Mas a gente já tinha comprado as passagens de avião, e nosso voo para Paris sairia de Barcelona. E era nossa chance de viajar de trem-bala, algo que realmente me empolgava. E era minha chance de por os pés no Mediterrâneo. E tantas pessoas que amavam Barcelona não poderia estar erradas, né?

Acontece que nas minhas pesquisas pré-férias eu constatei uma coisa. As pessoas se dividem em dois grupos: os fãs de Madrid e os fãs de Barcelona. E eu posso dizer com toda a certeza que sou uma fã de Madrid. Tenho uma birra de cidades praianas (ainda mais uma com praias CONSTRUIDAS). E tem mais fatores, né? A gente já estava cansada… e a proxima parada era Paris, essa sim que eu sonhava conhecer desde criança. Eu só queria que Barcelona passasse logo! :P

Boba, né? Eu preciso voltar lá com mais tempo, com mais amigos, com mais pique, no verão, com a cabeça mais aberta e um biquíni na mochila, eu sei. Mas como ainda não voltei, nem sei quando vou voltar, é das minhas experiências passadas que eu vou falar.

Linda, linda, linda. Não dá pra negar.
Linda, linda, linda. Não dá pra negar.

A cidade é linda, isso é indiscutível. As placas em catalão são curiosíssimas, tentar decifrá-las a cada esquina é bem divertido. Tentar entender essa coisa da Espanha ter tantas nações dentro dela é muito bom também – se você tiver a chance de conversar com um catalão sobre o assunto, não perca a oportunidade. Talvez você se irrite com a soberba dessa gente, mas eles têm seus motivos.

As pessoas são muito elegantes, muito bem vestidas (mais do que em Paris, juro!) e o Passeig de Gràcia é uma experiência: muita riqueza, gente bonita e obras de Gaudì aqui e ali. A linda Manzana de la Discordia, La Pedrera, e tantas outras. Como eu fiquei em Gràcia, subi e desci o Passeig pelo menos duas vezes por dia. Uma delícia!

Falando em Gaudì, a Sagrada Familia é sim imperdível, impressionante e emocionante. O Parc Güell também, e talvez tenha sido um dos meus lugares preferidos.

Lotaaaaaaaaaaaaaaaaaaaado de turistas. Tipo eu.

Lotaaaaaaaaaaaaaaaaaaaado de turistas. Tipo eu.

Enfim, foi onde eu fiquei menos tempo (3 dias), e provavelmente onde tive os dias mais puxados: tanto que nem deu tempo de curtir a noite. Em 3 dias a gente viu tudo o que queria ver, mas talvez, se eu pudesse voltar no tempo (e se tivesse tempo de sobra), dedicaria uns 5 dias a Barcelona, para viver o dia e a noite e ter tempo para fazer nada. Quem sabe numa próxima vez…